CONTACTOS

Tel: (+351) 918 483 143

E-mail: destravalinguas.saude@gmail.com

HORÁRIOS 

Segunda a Sexta: 09:00 – 20:00

​Sábado: 09:00 - 18:00

Lisboa | Campo Grande

Oeiras | Queluz de Baixo

 REDES SOCIAIS

  • Facebook

DestravaLinguas.saude/

  • Instagram

destrava_linguas_terapiadafala/

© 2019 por Destrava Línguas, Lda

Dificuldades de
Alimentação na Infância

O que é a consulta de alimentação infantil?

O ato de comer, ao contrário do que se possa pensar, não é totalmente reflexo e instintivo. Na verdade, existe uma aprendizagem alimentar, na qual a criança desenvolve uma série de competências gradualmente mais complexas. Este desenvolvimento alimentar não é igual para todas as crianças, e quando as dificuldades na alimentação surgem têm um grande impacto na vida da criança e da família. Quando a criança não quer comer, recusa ou apresenta resistência a certos alimentos é importante perceber porquê. 

Para dar resposta a estas crianças e as suas famílias, a Destrava-Línguas criou a consulta de alimentação infantil. Nesta consulta é analisada a alimentação da criança ao pormenor, com o contributo da Terapia da Fala e Terapia Ocupacional (e caso necessário, outras especialidades), de forma a detetar dificuldades persistentes ou pontuais na alimentação, assim como fornecer estratégias aos pais para atingir o sucesso alimentar da criança. 

Porquê uma abordagem multidisciplinar?

Comer é uma das ações mais complexas que o ser humano faz. Para comer necessitamos não só de competências oromotoras, isto é, controlo e força nas estruturas da boca, face e garganta, mas também de competências sensoriais (cheirar, ver, ouvir, saborear, tocar). Por este motivo, é imprescindível perceber quais as competências/áreas que estão mais comprometidas e que justificam a dificuldade alimentar que a criança apresenta. O Terapeuta da Fala é o responsável pela avaliação e intervenção nas áreas oromotoras, enquanto que o Terapeuta Ocupacional encarrega-se das questões sensoriais da criança. 

As dificuldades alimentares podem-se manifestar em diferentes comportamentos e em diferentes idades. Conheça os sinais de alerta:

No período da amamentação/alimentação por biberão:

  • Dificuldades persistentes em ganhar peso;

  • Dificuldade em coordenar a respiração com a sucção e a deglutição;

  • Engasga-se, tosse ou vomita com frequência;

  • Refluxo gastroesofágico acentuado, com choro e sinais de desconforto após a alimentação;

  • Desinteressa-se, resiste ou recusa o aleitamento frequentemente.

 

Na introdução alimentar

  • Dificuldades presistentes nas transições de consistências (ex: líquidos para sólidos).

  • Desinteressa-se, resiste ou recusa alimentos de uma certa textura (crocantes, escorregadios, esponjosos, etc.) ou um certo grupo alimentar (carne/peixe, vegetais, frutas, etc.).

  • Fica incomodado/a ao tocar, cheirar ou provar a comida, especialmente alimentos novos.

Após introduções alimentares

  • Dificuldades na mastigação de sólidos. 

  • Tempo de refeição prolongado (<30 min).

  • Desinteresse, recusa ou seletividade persistente na sua alimentação. 

  • Aceita menos do que 20 alimentos diferentes na sua alimentação.

Os pais, familiares e outros adultos consideram que

  • A criança é "esquisita" para comer.

  • A hora da refeição é uma experiência negativa. 

  • Têm de obrigar a criança a comer.

  • A alimentação é um assunto que causa ansiedade.

  • Afeta negativamente a rotina familiar.

Ficou com dúvidas?

Pretende agendar uma consulta?